O grupo de estudos Café com Marx é umespaço permanente de capacitação de profissionais, docentes e discentes do Serviço Social e áreas afins. As atividades foram iniciadas em setembro de 2011, quando membros da Comissão de Trabalho e Formação Profissional do Conselho Regional de Serviço Social Goiás - 19ª Região levantaram a necessidade de aprofundar a discussão sobre a produção de Marx. No primeiro ano de atividade, o grupo de estudos reuniu em um mesmo espaço de discussão estudantes de diversas áreas, professores, mestres e doutores.

O grupo Café com Marx realiza encontros mensais, no último sábado de cada mês, das 8 às 12 horas, na sala de eventos da Área 1, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, no Setor Universitário. A participação é aberta para a categoria, estudantes e professores. As datas dos encontros são sempre divulgadas no site.

Pensamento de Marx é atual - Segundo professora doutora Anita Cristina Azevedo Resende, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás, a permanência histórica dos processos e estruturas da sociedade capitalista tornam o pensamento de Marx atual. "É claro que esses processos se desenvolveram, se recriaram, mas a base, o fundamento do funcionamento dessa sociedade não se alterou", completou. Atualmente há uma discussão que o avanço da tecnologia teria mudado a relação entre trabalho e capital. Na visão da doutora, é um equívoco, pois a tecnologia incorpora um quantum de trabalho e por "mais que evidentemente os processos se desenvolvam e você possa ter uma relação diferenciada, do ponto de vista histórico, da relação entre o capital constante e variável, na verdade as estruturas, o funcionamento da sociedade mercantil, com base na produção e exploração do mais trabalho como elemento de constituição do capital, está posto e não muda".

Para o coordenador do grupo de estudos, conselheiro George Francisco Ceolin, professor da Universidade Federal de Goiás - Campus Cidade de Goiás, Marx revelou a essência da sociedade capitalista, sua gênese e desenvolvimento. E para o Serviço Social é fundamental compreender a estrutura dessa sociedade. "É impossível aprender o significado das profissões, da intervenção profissional, sem conhecer bem quais são as estruturas fundantes que revelam o modo de ser da sociabilidade burguesa. Nesse sentido, pensar e entender Marx é condição sine qua non", explica. A partir dessa compreensão, segundo George, o profissional tem que buscar uma competência que vai além do próprio mercado e atenda as demandas sociais. Só assim, o Serviço Social poderá indicar rumos e estratégias na defesa da emancipação humana.